História dos Anjos

“O meu trabalho é um privilégio de Deus, eu o agradeço o tempo todo por poder desenhar os anjos. Com o seu nome de batismo, o dia, mês, ano, horário (se souber) e local de nascimento, peço ao meu anjo e ao seu anjo cabalístico, através do seu salmo, para entrar em contato com o seu anjo da guarda, e passar a energia dele para mim.

O meu trabalho começa pelo olho esquerdo. Assim que faço a circunferência da íris, já sinto a presença dele, é como se estivesse ao meu lado, a energia fica muito forte.

Na verdade, o anjo é somente uma luz, uma energia, que está dentro de você, que te protege, e que te atende sempre que é solicitado. O meu desenho é um retrato, peço para ele me revelar como ele quer se apresentar. Loiro, moreno, ruivo, criança, negro, e assim vai… Meu desenho tem o objetivo de abrir um canal mais fácil de comunicação entre você e seu anjo, através de uma face humana, única e pessoal.
Na maioria das vezes, quando a pessoa recebe o retrato do seu anjo, logo diz: já conheço esta pessoa, mas não sei de onde. Isto quer dizer que você já viu seu anjo, ou em sonho, ou em outro lugar qualquer, pois os anjos têm contato conosco constantemente, só que não lembramos, não conseguimos ouvi-los ou não enxergamos.

Já desenhei muitos anjos, todos me apresentaram energia diferente, e é como se eles quisessem conversar comigo, embora não os escute. Mas o nome, na maioria das vezes, eles me passam. Consigo saber se o anjo está preocupado, alegre, triste, pensativo, muito seguro, feliz de estar sendo revelado, etc.

Hoje desenhei um anjo cuja energia era muito confiante, seguro e ouvinte. Isto, em minha opinião, tem muito a ver com a pessoa de quem estou desenhando, ou então ele quer que a pessoa seja assim. Eu não sei direito o que ocorre, a única coisa que sei é sobre a energia que recebo. Também quando estou desenhando, qualquer traço que ele não goste, muda a expressão. Vou explicar: se faço uma boca errada, diferente do que pede, ele me olha feio e se faço certo ele me olha com ternura; se a boca já esta pronta ele sorri quando estou fazendo certo e bravo quando faço errado.

Tem muita gente que não procura seu anjo, não conversa com ele, acho que não sabe nem como fazer para entrar em contato. E é tão simples. Só abrir o coração a ele. E o resultado é imediato.

Estou falando isto porque eu converso muito com o meu. E todas as vezes que ele atende um pedido meu, coisas sem muita importância até, como achar vaga em estacionamento (e ainda na sombra!) ele encontra para mim e, então, brinco com ele mostrando o dedo polegar dizendo “você é o bicho!!”, rindo. E o vejo fazendo o mesmo movimento para mim. Ele adora que eu fale assim com ele.

Não vejo os anjos, mas sinto a presença deles. Na hora em que estou desenhando, sinto uma energia muito forte e, a partir do momento que faço a íris dos olhos, já percebo de perto a presença do anjo guardião da pessoa, pois numa simples circunferência com um pontinho no meio, já sinto sua energia. Por exemplo, se está triste, quieto, pensativo, brincalhão, e assim vai. Eles brincam muito comigo ou ficam bravos muitas vezes (bravo é minha linguagem intima com os anjos). Quando um anjo é brincalhão já percebo logo na íris, pois ele começa a brincar com traços diferentes, e na hora em que desenho a boca, o sorriso é realmente de quem gosta de brincar.

Outro dia, ao iniciar o desenho da íris, percebi que iria ter problemas com o anjo, não conseguia canalizar a sua energia, ele realmente estava olhando muito feio para mim. Continuei, mas quanto mais eu prosseguia, mais ele ficava bravo. Parei, conversei com ele, cheguei até pensar em desistir, de não ir adiante, pois não me passava nenhuma energia, nenhum traço. Eu segui, e nada. Tudo ficava errado, mas o dono queria muito seu anjo, então segui adiante por conta própria, achando que minha intuição fosse dar certo. Entreguei o anjo, e expliquei o que tinha ocorrido à pessoa. Na hora viu que o nome estava errado, que ao invés do nome Maria como achei que fosse, era Mário. Eu havia anotado nome errado, e canalizado um anjo que não era de ninguém, por isto o anjo não saia.

A única coisa que consigo ouvir dos anjos é o nome, mas tem anjo que gosta muito de brincar mesmo, então fui perguntar qual era o nome que queria ser chamado, ele me passou “FOGO”, aí disse a ele: como vou dizer para seu dono que você se chama Fogo? Me dá outro nome, então ele passou “PEDRA”. Também disse a ele que não iria passar este nome ao seu dono, pois era muito esquisito chamá-lo assim, Pedra. Então passou o nome de “SOL”, achei que melhorou bastante, e disse para a pessoa o que ocorreu, e então chegamos à conclusão que talvez devêssemos olhar o significado. Descobrimos que a pedra-do-sol, devido ao seu brilho dourado, foi dedicada pelos gregos ao deus Hélios. Acreditavam que a pedra-do-sol protegia a terra contra males e que mantinha o sol em seu caminho. O deus do Sol, Hélios, utilizava a pedra-do-sol para poder, com segurança, atravessar, com seu carro provido de cavalos resfolegantes de fogo, através do céu do Oriente até as terras ocidentais do pôr-do-sol. A pedra-do-sol, até hoje é imitada por sopradores italianos que, assim, conseguem semelhança surpreendente. Sendo assim a pessoa começou a chamar seu anjo de HÉLIOS.

Outra vez, quando estava desenhando um anjo (era uma anja), a sua energia veio muito forte na luz violeta. Ela veio serena, mas não estava gostando de alguma coisa, não deixava entregar ao seu dono. Sentia que faltava alguma coisa a ela, pois aprovou seus traços, a sua luz, mas tinha alguma coisa a mais que queria, já tinha me passado o nome que era Violeta, mas não sabia dizer bem o que ela queria mais. No dia seguinte, com mais calma, descobri que o que ela queria eram muitas violetas em seu cabelo e na roupa. Na mesma hora em que coloquei a primeira flor, ela já passou a energia radiante de felicidade, então fiz o que pediu. Parecia que iria sair do papel para me agradecer as violetas.

Um outro anjo que me recordo muito, foi como ele gostava de brincar comigo. Desde que comecei a desenhá-lo, percebi que se tratava de um anjo muito, mas muito brincalhão, sorria muito, seus olhos brilhavam, e o tempo todo que punha um traço errado em seu rosto logo sorria, percebi que ele estava brincando muito comigo. Até o cabelo ele quis assim meio escorrido, repartido no meio. Disse a ele que este cabelo era muito estranho para um anjo, e que teríamos que colocar um cabelo mais adequado, aceitou, mas o que ele fez? Encheu de ar suas bochechas e olhando para mim como se dissesse ‘tá bom’. E sabe o nome que ele me passou? “Hilário”, pode?!

A Esmeralda é uma anja que desenhei, ela olhava sério para mim, não consegui descobri o que era e entreguei assim mesmo ao dono. O dono logo percebeu que eu tinha errado a data de nascimento. Então fiz novamente o anjo da mesma pessoa, achando que fosse sair um outro anjo. Mas lá vem a Esmeralda, se revelando rapidinho e serena, como se dissesse: você errou o ano mas o anjo não. A sua energia era muito positiva, com personalidade muito forte. Acho que ela estava preocupada que seu dono iria achar que ela não fosse o anjo da pessoa, por isto me olhava com ar de interrogativo.

O anjo Lázaro (este foi o nome que me passou) já veio calmo, tranqüilo, e todas as vezes que fazia um traço em seu rosto que ele gostava, ele puxava o canto direito da boca sorrindo. Foi muito boa a energia dele, pois sorria muito para mim, com aquele gesto da boca.

Eu sou um canal do seu anjo! Se você está lendo agora essa mensagem, é também uma forma carinhosa do seu Anjo da Guarda dizer que anseia essa aproximação.
Fale com ele agora… perceba seu amor e deixe-se envolver pelo carinho e cuidado que ele tem por você. E receba, através de mim, as bênçãos que ele te envia:

Deus te abençoe!”

Rosa Teubl